sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Dique no rio Tietê causa briga entre São Paulo e Guarulhos

O Jardim Romano, na zona leste da capital paulista, ficou mais de dois meses inundado pelo Rio Tietê entre o fim de 2009 e o início de 2010. Parte da população foi removida e o dique de 1,4 quilômetro construído no local foi apresentado como parte da solução.



A prefeitura de Guarulhos acusa a de São Paulo de construir o dique para conter enchentes no Jardim Romano, sem levar em conta os efeitos na outra margem do rio, os bairros do Jardim Guaraci e Vila Izildinha, na cidade de Guarulhos. A prefeitura alega que sequer foi consultada.


Um estudo técnico do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) mostrando que o impacto na margem de Guarulhos será de 6 centímetros.



O engenheiro civil Aluísio Canholi, diretor da Hydrostudio Engenharia, empresa contratada pelo Daee para fazer o projeto do dique, afirma que os moradores de Guarulhos podem ficar despreocupados porque os efeitos serão mínimos. Segundo Canholi, a capacidade do dique é de 60 mil m³. Essa água que ficava contida no Jardim Romano vai ser distribuída pela várzea do Tietê, que ainda tem capacidade para 20 milhões de m³. "Os efeitos serão insignificantes", diz.




Nenhum comentário:

Postar um comentário