terça-feira, 1 de junho de 2010

Corvina do Tietê

A mais importante representante dessa família em água doce, é a Plagioscion squamosissimus, peixe de corpo alto e comprimido. Possui uma boca grande, nadadeira caudal romboidal e a nadadeira dorsal longa e baixa, ocupando quase toda a região superior do corpo. As nadadeiras dorsal e peitorais são quase transparentes (hialinas), as demais, opacas em tons de branco ou cinza. A coloração geral do corpo é prateada, com o ventre branco. Uma mancha preta é bem evidente na base das nadadeiras peitorais. Atinge mais de 70 cm de comprimento total e cerca de 6,oo kg de peso.



Espécie de fundo e meia água, freqüenta as regiões mais profundas do leito dos rios, nos canais, poços e também dos lagos e reservatórios. Nada em grandes cardumes.
Alimentam-se de peixes e camarões, com predominância de um ou outro dependendo do local. É um peixe muito prolífico, que não realiza migração reprodutiva.

















Sua pesca é realizada utilizando principalmente iscas naturais, como pequenos peixes em pedaços ou inteiros (lambaris) e camarões. Ocasionalmente, podem ser capturadas com plugs de meia água e jigs.

Os maiores indivíduos costumam ser pescados à noite em poços profundos. Como muitas vezes o cardume está no fundo, a fisgada tem que ser firme para o peixe não escapar.

Os cardumes permanecem em diferentes profundidades, de acordo com o horário do dia, ou mesmo durante a noite. Portanto, é importante baixar as iscas, em diferentes profundidades, até encontrar o cardume e marcar a quantidade de linha liberada para alcança-lo.

Posto a foto do amigo pescador Douglas, de São Carlos. Ele capturou essa corvina de quase 5 kg no rio Tietê, em Araçatuba. Na região chamada de pilar, onde deságua o Jacaré. Segundo ele, utilizou lambari como isca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário